Identidade Governamental

Design Governamental: uma identidade coesa e unificada para o Governo Britânico e outros governos

Aloha!

Um assunto que tem me interessado muito ultimamente é identidades de instituições públicas, mais especificamente instituições governamentais, e em como o design gráfico pode ser usado para facilitar a comunicação e encurtar o distanciamento das pessoas com seus governos. Trata-se de um assunto importante para se discutir, principalmente no efervescente e histórico contexto político e social que temos vivido no Brasil.

Depois de algumas rápidas pesquisas, encontrei esse artigo do designer Paul Lloyd, falando de sua visão sobre como o Reino Unido poderia (deveria) organizar-se dentro de uma única identidade, mostrando o que outros países tem feito. Falei com ele e, gentilmente, nos foi autorizado a tradução e publicação em português desse texto. Mesmo sendo de 2009, o artigo é atual.

Espero poder fazer um texto parecido mas mostrando o que temos no Brasil em breve. Enquanto isso, aproveitem o ótimo trabalho do Paul, que aliás conta com vários manuais e brandbooks.

Design Governamental: uma identidade coesa e unificada para o Governo Britânico

por Paul Robert Lloyd em 2009 / tradução Bárbara Silva

Com a escalada da dívida britânica, a conversa deste mês dos partidos no congresso é cortes nos gastos públicos tornando-os menor, buscando um governo mais eficiente. Acredito que uma forma clara de conseguir isso seria a introdução de uma marca unificada em todo o governo.

Atualmente, existem 24 departamentos ministeriais e milhares de agências executivas, comissões e autoridades, cada um com diferentes logotipos e identidade. Nos últimos dois anos, inúmeras reorganizações feita sob a administração de Gordon Brown fizeram com que novas identidades, sites e materiais publicitários fossem exigidos, ou igualmente redundantes.

Não só temos um governo que aparece fragmentado e desorganizado, mas onde a mudança sucessiva é cara e cria muito desperdício.

Com uma eleição geral dentro de poucos meses, podemos esperar mais do mesmo, especialmente quando o Partido Conservador – amplamente esperado para ser o próximo partido do governo – planeja reduzir o número total de departamentos ministeriais e agências executivas.

Proponho que tal reorganização seria uma oportunidade perfeita para repensar a forma como o executivo se comunica com o público. Se quisermos reduzir a burocracia e simplificar o governo, então devemos também pensar em tê-lo representado por uma identidade comum, em vez de uma multidão de logotipos.

Identidades governamentais em todo o mundo

Outros governos têm uma (des)ordem semelhante de logos é claro, mas alguns têm implementado estratégias de marca coerentes. Eu ilustro dois desses regimes mais tarde, mas também outros exemplos podem ser encontrados no Canadá, Austrália, África do Sul também:

Programa Federal de Identidade Canadense (site externo)

Guidelines da Marca do Governo Australiano. Veja mais aqui

Guidelines de Identidade Corporativa do Governo da África do Sul

Estados Unidos

Embora não exista uma estratégia de marcas coordenada no âmbito do Governo Federal dos EUA, há alguma consistência, em grande parte resultado de precedente histórico do que qualquer planejamento centralizado. Aqui departamentos governamentais, agências federais e programas usam  selos redondos, baseando seus projetos no Great Seal, ou em aspectos que fazem referência ao país tais como a águia careca ou as estrelas e listras.

Selos do Governo Federal dos EUA

O Great Seal dos Estados Unidos e selos para o Presidente, Departamento de Estado, Departamento de Educação, NASA, Departamento de Segurança Interna (DHS) e no site da Recovery.gov. Tanto o DHS e selos Recovery.gov são criações recentes, e enquanto eles têm desenhos mais simples, eles ainda mantêm o formato circular e linguagem visual visto em outros selos.

Alemanha

A unificação da Alemanha Oriental e Ocidental, em 1990, proporcionou uma oportunidade ideal para criar uma identidade única para o novo governo federal.

A competição estudantil realizada em 1996 teve como ganhadores Jürgen Huber e Lisa Eidt. Seu design combinou a águia federal, a bandeira alemã e um logotipo (wordmark) que pode variar dependendo departamento. Eles ganharam um estágio na MetaDesign como parte de seu prêmio, e depois trabalharam com a agência para finalizar o projeto.

A identidade final foi lançada em Junho de 1999 e a MetaDesign foi envolvida desde então. Eles continuam a ajudar o governo federal com a implementação da marca, projetando ferramentas e criando estruturas que permitam os ministérios a manter um nível de liberdade criativa.

Documentação Design do Governo Federal Alemão (em alemão)


• Logos utilizados pelo Governo Federal Alemão •

Um sistema de identidade única (e escalável) é usado em todos os ministérios e órgãos federais. Aqui são mostrados os logos para o Governo Federal, o Ministério Federal da Educação e Pesquisa, a Autoridade Federal de Supervisão de Serviços de Navegação Aérea e os Arquivos Federais.

Holanda

Em 2008 o governo holandês teve uma abordagem semelhante com a iniciativa chamada ‘Projeto 1 Logo’. Com mais de 200 departamentos e ministérios que enfrentam custos para manter diferentes logos, tipografias, materiais impressos e sinalização, o projeto teve como objetivo melhorar a comunicação entre os cidadãos e o governo, apresentando uma imagem unificada.

A identidade foi criada pelo estúdio Dumbar, de Rotterdam, que contou com uma família tipográfica personalizada (‘Rijksoverheid’) desenhada por Peter Verheul. Anunciado em 2008, a implementação total do projeto será concluída até 2011.

Guidelines de Identidade Visual para Governo Holandês (em inglês)

• Logos para o Governo e Ministérios Holandês •

Um sistema de identidade única é utilizado nos diversos ministérios holandeses. Aqui são mostrados o logotipo principal do governo e os ministérios da Justiça; Saúde, Bem-Estar e do Desporto; Finanças; Negócios Estrangeiros.

Abordagem futura

Apesar de um programa de identidade altamente visível (e inicialmente caro) poder encontrar alguma resistência no Reino Unido, com uma implementação dividida por fases,  os benefícios a longo prazo são claros. Na verdade, os exercícios holísticos de marca já são comuns no nosso setor público. O Executivo da Irlanda do Norte usa uma identidade coesa através de seus diferentes departamentos e o NHS (sistema de saúde pública da Inglaterra) vem usando diretrizes de marca rigorosas por vários anos.

• Logos para a Irlanda do Norte Executiva e quatro de seus departamentos •

Design

O logotipo “HM Government” apresentado no início desta década fornece algumas pistas de como pode parecer uma identificação unificada, com o brasão do governo fixado ao lado de um logotipo (wordmark) em Gill Sans Light. Logos para o Ministério da Justiça, Fazenda, Negócios Estrangeiros e Gabinetes Oficiais também podem ser representados por este brasão, enquanto o Tesouro e o Departamento de Inovação Empresarial e Competências usar Gill Sans também.

• Uma seleção de logos usados ​​pelo governo britânico hoje •

Embora não exista uma identidade coerente dentro do Governo Britânico, uma série de padrões emergem, com o brasão de armas e a Gill Sans sendo escolhas populares para alguns logos. No entanto nem todos os departamentos compartilham dessa linguagem visual, e todos têm implementado sistemas de identidades próprios.

Manter o brasão é, provavelmente, uma exigência para qualquer trabalho de identidade futuro, embora exija simplificação: o atual desenho claramente não redimensiona bem e se reproduz de forma claramente o suficiente em telas. Enquanto a Gill Sans é muitas vezes considerada a fonte padrão para qualquer coisa britânica, eu adoraria ver uma família tipográfica exclusivamente projetada para esse trabalho no mesmo sentido que aconteceu com o governo holandês. Ela teria que trabalhar em todo o amplo espectro de atividade do governo, e o uso constante poderia resultar em mais um clássico tipográfico britânico (e, possivelmente, mais adequada às exigências do século 21 também).

Há também outro problema a ser resolvido: nomes de departamento que precisam ser mais simples. Hoje parecem como listas de compras: Departamento para Crianças, Escolas e Famílias e Departamento de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais são dois exemplos notáveis​​. Tais esquemas de nomeação levam a abreviações sem sentido (DCSF e DEFRA), que distancia o governo do público.

Pessoalmente, eu gostaria de ver os departamentos nomeados como Ministários novamente – em parte porque eu sou um defensor da tradição – mas isso também associaria melhor os departamentos com seus ministros.

Abaixo está uma sugestão de como uma identidade unificada pode parecer, embora eu tenha certeza que existem soluções muito mais criativas. Não tenho dúvidas que este é um grande projeto, que exigiria uma série de pesquisas, e um sistema de identidade resultante precisa se ​​adaptar facilmente a contínua reorganização do governo.

• Como uma identidade unificada para o governo britânico poderia ser •

Dado o número crescente de sistemas de identidade implementadas por outros governos, parece que já estamos atrasados. No entanto, ainda há uma grande oportunidade para a comunidade do design Britânico para pensar em como esse problema poderia ser resolvido. Como David Cameron rebatizou seu próprio partido ao se tornar líder, eu estou esperançoso que um exercício semelhante seja logo visto em nível governamental também.

Post original: LINK

Update

O próprio Paul nos escreveu dizendo que, além do site do governo britânico muito elogiado e premiado, agora existe uma marca unificada para o Executivo do Reino Unido.

Escritores convidados
O LOGOBR, seguindo sua tradição, conta com textos de grandes profissionais com conteúdo relevante.
  • Bem interessante, Daniel.

    Na última eleição municipal da minha cidade natal (Barra Bonita) eu sugeri para um dos candidatos a vereador a pauta de identidade visual da cidade.
    Como é uma cidade turísitca, acredito que uma identidade bem trabalhada poderia reforçar muito bem esse conceito. Além de que, a cada nova gestão a maioria dos prédios públicos, uniformes de servidores e materiais de comunicação são refeitos pra representar essa nova gestão, o que gera um enorme gasto para os cofres públicos a cada quatro anos. Uma identidade da cidade, e não da gestão, ao meu ver, seria muito mais coerente e a longo prazo reduziria os gastos da prefeitura.

    P.S.: o vereador não foi eleito e o projeto não foi adiante.

  • Olá!
    Parabéns pelo post, tal qual todo o blog, sempre muito engrandecedor.

    De qualquer maneira, faço o comentário para citar o trabalho não oficial do Fábio Lopez para o Brasão de Armas da República Federal, que parece caminhar para essa proposta citada no post http://www.flickr.com/photos/flopezdesign/6886643975/

    Abraços!

    • Daniel Campos

      Olá Dario!
      Obrigado pela carinho!
      E muito bem lembrando, o trabalho do Fábio Lopes poderia ser o embrião de uma organização por terras tupiniquins. Obrigado por lembrar :)

    • Dario, li o artigo: obrigado pela lembrança aqui e no meu flickr. Infelizmente sou obrigado a discordar quando Lloyd afirma que projetos de integração de marcas governamentais trazem benefícios a longo prazo. Não pelas questões de design em si, mas pelas questões políticas das quais o design é servidor. O que mais vemos são governos investindo em sinalizar mudanças de administração através de ‘novas’ identidades visuais, paleta de cores, etc., mas aqui a duração de um projeto desses geralmente é de apenas um mandato (variando de 4 a 8 anos). A implementação é cara e propositalmente espalhafatosa (desperdício de energia e erário público) e a administração bastante e sempre amadora. Te desafio, por exemplo, a verificar se os governos em qualquer esfera – pra começo de conversa – detêm as licenças das fontes distribuídas pelos departamentos para replicar a identidade vigente. Esse tipo de projeto por aqui só funcionaria para uma comunicação em segundo nível, de elementos que têm natureza nacional e não governamental – se for possível criar esse tipo de distinção. Por esse motivo eu ataquei o brasão, que é um elemento nacional e não uma marca governamental. No momento em que for implementado e estiver associado a esse ou aquele grupo político passa a caducar. É uma pena e uma batalha. Abs!

  • Arthur Zamboti

    Estou desenhando justamente um doodle a respeito disso.
    Quando estiver pronto (leia-se tempo) vou terminar e compartilha essa página nele….

  • Rama

    Não vejo Governos brasileiros (estaduais, municipais, nem o federal), adotando estratégia similar. Aqui a turma tende a confundir, por propósitos eleitoreiros, marca de campanha com marca da administração oficial dos Governos.
    E o pior, usam muito dinheiro público para mudar, no máximo em 8 anos, toda comunicação visual de administrações. Um gasto desnecessário.

  • Paulo Roberto Gonçalves Junior

    Boa Noite, gostaria de saber se por acaso eu terei algum problema em usar um logotipo governamental em apostilas, por exemplo o logotipo do ENEM, sou diagramador de uma escola e estamos trabalhando em novas apostilas para nossos cursos voltados para o Enem e gostaria de aproveitar o logo nelas. Obrigado pela atenção

    Paulo