Naming, o mini discurso da marca

Naming: o mini-discurso da marca

Hoje convido você a olhar ainda mais para o valor do nome dentro da marca.

Abra uma revista em um anúncio clássico, aqueles um texto de 5 linhas, título de 2 linhas e slogan de 3 palavras. Você já tem um indicativo da gradação decrescente de concisão no discurso das marcas.

Naming, ou o nome da marca, no composto comunicativo, exerce a função persuasiva mais minimalista. Mais fácil? Que nada, muito mais difícil. Temos que comunicar com uma palavra só, no máximo duas, ou até mesmo com uma letra e um número.

Como técnica persuasiva, o nome de um produto ganha cada vez mais força como parte integrante do composto de comunicação. Por exemplo, o nome do celular Blackberry custou 150 mil dólares. O que significa este investimento em um elemento simbólico? Um grande investimento em um mini-discurso?

Por que a marca Massimo Dutti parece ser um nome patronímico, do dono da marca, como se ele existisse? Na verdade, feito para dar esta impressão, evocando uma identidade italiana, culturalmente ligada à elegância, visando alcançar esse posicionamento, mas sem ter nenhum referente, nenhum costureiro famoso por trás dela, só o simulacro disso.

A marca Haagen Dazs é o exemplo clássico desta estratégia: aparenta ser um nome toponímico, justamente para trazer um posicionamento nórdico a uma marca americana.

A marca Audi cria o nome de seus produtos com a inicial da marca seguida de números: A2, A3, A4, A8. Aciona, portanto, elementos universais para facilitar a internacionalização.

O que é a magia senão não conseguir enxergar o que está diante dos nossos olhos? Sim, há muito a se desvendar na magia do mini-discurso dos nomes de marcas. É isso que continuaremos fazendo aqui. Até a próxima.

____________________________________________________________

Sobre a escritora:

Irene Carballido, Mestranda na ESPM/SP. Fez pós em Psicocriatividade na Universidad Autónoma de Barcelona. Formada em Publicidade e Sociologia.

Follow: @IreneCarballido

Escritores convidados
O LOGOBR, seguindo sua tradição, conta com textos de grandes profissionais com conteúdo relevante.
  • Vinicius

    Tchê, e é um logo bom esse Haagen Dazs, lembrei que era uma marca de sorvete por causa do logo que havia visto há pouco tempo atrás ,porque pelo nome …

    • Fábio Menegat

      É para um público diferenciado. Não pra ti.