O que aprendi lecionando

por Escritores convidados | 6 03 2012

Hoje não vou falar sobre design, mas sobre a importância dos estudos e de planejarmos nosso crescimento profissional através do aprendizado.

Comecei a lecionar muito cedo, ainda durante a faculdade de arquitetura, no meu 3º ano. Nada glamoroso. Era o professor auxiliar de um curso de software dentro da Fupam, fundação que promovia cursos e aperfeiçoamento profissional dentro da FAU USP.

Quando o curso foi encerrado no meu 4º ano, resolvi propor algo que o substituísse. Pretensioso e sem nada a perder, propus para a Fupam um curso de “design gráfico para apresentação de projetos de arquitetura”. Surpreendentemente eles toparam, apesar de ser ainda apenas um estudante da faculdade. Aquele foi o primeiro passo para lecionar em cursos livres, e depois graduações e pós graduações ao longo destes 15 anos que se passaram desde então.

Os cursos dentro da Fupam eram tanto para profissionais, quanto para estudantes. Por estarem dentro do prédio da FAU eles periodicamente sorteavam bolsas de estudo entre alunos e eu como professor conseguia acesso a mais algumas. Então naquele período constantemente eu me alternava nos cursos na posição, ora como aluno, ora como professor.

Comecei a notar naquela época que, em alguns momentos, os cursos estavam todos muito cheios, e em outros períodos, todos vazios. Me perguntava o por quê?

Percebi o seguinte: Quando o mercado estava muito mal, as matrículas caiam. Afinal sem trabalho ou emprego, não era fácil pagar por um curso, por mais importante que ele pudesse ser para a carreira do aluno ou para a conquista de um novo emprego. Porém, quando o mercado estava em forte alta as matrículas também caíam. Somente nos períodos medianos as classes estavam cheias e, intrigado do porquê, comecei a perguntar aos alunos.

O que aprendi foi o seguinte: Quando não se tem dinheiro ou emprego, não se investe em cursos. Quando se tem muito dinheiro e trabalho, geralmente não se tem tempo para os mesmos.

Fazia sentido.Mas ao era uma lógica burra! Afinal, o melhor momento para se investir no aprendizado e na carreira é justamente quando o mercado está em baixa, quando temos mais tempo e quando nos diferenciarmos dos concorrentes é mais importante.

Percebi que não temos a cultura de entender os estudos como parte de uma estratégia de vida. Não os planejamos, as vezes eles acontecem. Não traçamos metas do que queremos aprender e muitas vezes subestimamos o papel do aprendizado no nosso crescimento. O tempo passa, permanecemos no mesmo patamar profissional que estávamos 2 anos antes e quando nos perguntamos o motivo, não enxergamos a resposta óbvia: Fazer sempre as mesmas coisas, sempre da mesma forma, não nos levará nunca a um lugar novo.

Mas e o dinheiro? Será que é tão complicado assim? Acredito que não. Nos momentos de alta podemos economizar para os de baixa. Percebo que a maioria consegue até traçar um plano de economia para comprar um celular novo, mas estudo, só se houver tempo, dinheiro, disponibilidade… tudo coincidindo em um momento propício! Isso é claro se não “bater uma preguiça”…

Precisamos ser mais sérios quanto ao nosso aperfeiçoamento profissional. Não precisa ser um curso, ou uma pós graduação. Pode ser fazer uma pesquisa através da leitura de vários livros de um mesmo tema, pode ser investigando algo importante do seu mercado, ou qualquer outra coisa que seja de verdade um investimento nas nossas carreiras.

Mas precisa ser planejado e executado!

____________________________________________________________

Sobre o escritor:

Guilherme Sebastiany é sócio fundador da Sebastiany Branding, escritório especializado em diagnósticos, estratégias e projeto de marcas.

Follow: @sebastiany

Arquivado em: Ferramentas

Tags: ,

Gostou do post? ››

3 +

Veja outros artigos em

Ferramentas

A opinião tão importante dos leitores.

Comentários: 8

  1. Raniery
    6 Mar 2012 13:58

    Bem, não sei exatamente o que dizer mas… Esse texto falou profundamente comigo…

    Obrigado pelo texto, pela reflexão, pelas dicas; obrigado pelo incentivo.

  2. Vinicius
    6 Mar 2012 16:45

    Excelente texto, mesmo. O site é muito bom, sugiro apenas um pouco mais de cuidado na revisão/erros de digitação, etc.

    • Daniel Campos
      6 Mar 2012 18:54

      Vinícius, obrigado pela visita e pelo comentário. Estamos trabalhando duro para não existirem mais erros nos textos, mas ainda acaba passando coisa ou outra. Se puder nos dizer onde estão os erros, ficaríamos extremamente gratos. Obrigado e volte sempre, será um prazer!

    • Guilherme Sebastiany
      6 Mar 2012 19:53

      Culpa minha. Pela minha dislexia realmente os erros passam. Mas podemos sempre corrigir qualquer erro. Obrigado Vinicius!

  3. Alensi
    6 Mar 2012 18:11

    Você está errado.

    É exatamente porque o “mercado” nos faz enxergar os estudos como uma parte estratégica da vida que estamos sofrendo com o sucateamento do ensino público e a glorificação do mercado de diplomas.
    Tomando esta posição que você está tomando, não faz nada além de contribuir para a marcha corrente do fascismo que se achega nessa nossa São Paulo.

    A vida não é um jogo, conhecimento não é ferramenta. O mercado não é “A REALIDADE”.

    • Guilherme Sebastiany
      6 Mar 2012 19:51

      Acho bacana que existam divergências de opinião. Isso é muito saudável e democrático e nada fascista (ao meu ver).

      Desconheço essa “estratégia” que você comentou Alensi, embora concorde que tanto o ensino superior na rede pública está (e não é de hoje) mal das pernas. Mas nas redes privadas (do mercado) a qualidade também é bem questionável. Acredite, conheço ambas as realidades. Talvez por isso eu tenha dificuldade de ver isso como uma “ação planejada do mercado”.

      Mas pergunto se nos países onde o ensino público é de qualidade e não está sucateado se as pessoas também não buscam aprender coisas novas, em cursos ou fora deles? Por elas mesmas!

      E respeitosamente discordo da sua opinião: conhecimento (e não um diploma) é sim uma ferramenta! Pelo menos é o que acredito. Isso é claro, se estiver nas mãos das pessoas certas… Nem sempre está.

  4. Alensi
    6 Mar 2012 23:48

    Muito saudável é moderar os comentários…
    Muito saudável é ser pessoa “certa”.

  5. Alexander Carnier
    7 Mar 2012 9:12

    Grande, Guilherme, sempre transmitindo ideias bacanas.
    Acabei de me formar lá na FAU, e também mergulhei no design. É bom saber que estou em boa companhia. =]
    Abração!

Agora diga o que você pensa.

Deixe seu comentário

Nome

E-Mail

Link

Mensagem

Campanha prol projeto Ilha Design



E se todos os criativos do Brasil pudessem ajudar a colorir o coração de muitas crianças? O Ilha Design faz isso há 8 anos. Um trabalho voluntário que leva Design e Artes como fatores de integração social e cultural para crianças em Escolas Públicas. Mas agora o projeto precisa de pessoas como você para continuar a existir. Até 11 de novembro estamos em campanha junto com eles para ajudar na arrecadação de fundos.

Entre no link, conheça o projeto e ajude. Compartilhe com seus amigos. Vista a camisa do Ilha Design.

Veja +


Diatipo 2014



O Diatipo já é um evento esperado todos os anos, já entrando para o calendário internacional do mercado tipográfico. As inscrições para 2014 já estão abertas e a participação confirmada de Matthew Carter e Alexandre Wollner.

Veja +

Brix Sans



Depois de vários meses em silêncio, Hannes von Dohren volta com um lançamento fantástico: Brix Sans, uma família de 12 fontes, toneladas de OpenType e uma versatilidade absurda.

Veja +

R Misto Bauru



Este ano Bauru sediará o 8º Encontro Regional de Estudantes de Design da região de São Paulo e também o 16° Interdesigners: o R Misto. O evento ocorrerá dos dias 5 a 9 de novembro e pretende apresentar a mistura diferente que permeia a vida dos estudantes da cidade.

Veja +